sábado, 12 de março de 2011

Plantas de Meia Sombra

Nome Científico: Anthurium andraeanum
Nome Popular: Antúrio, antúrio-de-flor
Família: Araceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Colômbia
Ciclo de Vida: Perene

Curiosidades:
O antúrio é uma planta tradicional no paisagismo. Fez parte de uma moda antiga e teve o brilho renovado recentemente. Utilizada há muito tempo em vasos para decorar interiores, hoje em dia pode compor maciços e bordaduras em jardins externos também. O melhoramento genético proporcionou diversas variedades, com portes diferentes e flores de coloração vermelha, rosa e branca.
As flores são brancas, creme ou esverdeadas, formadas na primavera e verão e ornadas por espatas sulcadas, em diversas cores de acordo com a variedade hortícola.
Exigente quanto à umidade, deve ser plantada sempre à meia-sombra, em substratos ricos em matéria orgânica, como a fibra de côco misturado com terra vegetal, com regas frequentes e adubação adequada para florescer.
 É cultivada em vasos, em conjuntos isolados ou jardineiras, sempre a meia-sombra, em canteiros de terra vegetal. Também utilizada para corte, proporcionando flores muito duráveis.





Anthuruim andraeanum em cultivo protegido
 
Anthuruim andraeanum

Anthuruim andraeanum

Anthuruim andraeanum

Fonte: Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Ubatuba - SP.
Fonte: II Feira de Exposições de Plantas Ornamentais do Vale do Ribeira.


Nome Científico: Heliconia collinsiana
Nome Popular: Helicônia, helicônia-pêndula
Família: Heliconiaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Guatemala
Ciclo: Perene

Curiosidades:

Planta de belíssimas inflorescências pendentes, com brácteas de cor vermelho vivo, que envolvem flores amarelas, muito atrativas para os beija-flores. Os frutos são azulados quando maduros.
Cultivado a pleno sol ou a meia-sombra, como plamta isolada ou em grupos, exigente em terra fertilizada, rica em extrato orgânico e irrigada periodicamente. Também muito empregada como flor de corte.
Formam touceiras de bela aparência com folhas grandes e verdes lembrando pequenas bananeiras, portanto, excelentes para jardins decorativos externos, não necessitando replantio.
Rizoma destinado unicamente ao cultivo como ornamental.
Heliconia collinsiana
Heliconia collinsiana
Heliconia collinsiana

Inflorescêcia de Heliconia collinsiana

Fonte: Limeira - SP - Chácara Wenzel





Nome Comum: Arundina bambusifolia
Nome Científico: Orquídea-bambu, arundina
Família: Orchidaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Burma
Ciclo: Perene


Curiosidades:

Orquídea terrestre bastante rústica, a arundina, como também é chamada, se encaixa perfeitamente no estilo dos jardins tropicais e contemporâneos. Apresenta caule juncoso, formando grandes massas que crescem até uma altura de 2 m. As folhas são finas, estreitas, compridas e lanceoladas, com um comprimento de 9 a 19 cm e largura de 0,8 a 1,5 cm. As flores se formam no verão e apresentam uma tonalidade lilás rosada com o labelo púrpura. A orquídea-bambú pode ser utilizada como bordadura, renques, ou isolada no jardim, assim como em vasos e jardineiras, sozinha ou compondo com outras plantas.
Esta espécie pode ser cultivada à meia-sombra ou a sol pleno, em solo rico em matéria orgânica. Quando plantada em vaso, a mistura recomendada é de 1 parte de terra comum de jardim, 1 parte de terra vegetal e 2 partes de composto orgânico. Aprecia regas regulares sem encharcar o substrato, devendo ser irrigada cada vez que o substrato secar na superfície. Floresce mais intensamente em regiões de clima tropical e equatorial. Não tolera geadas. Multiplica-se pela divisão das touceiras ou por estacas-ponteiro obtidas das brotações laterais das hastes.

                                                                                        Arundina bambusifolia


Arundina bambusifolia


Arundina bambusifolia

Fonte: II Exposição de Plantas Ornamentais do Vale do Ribeira.


Nome Científico: Podocarpus macrophyllus
Nome Popular: Pinheiro-de-buda, Pinheiro-budista, Podocarpo, Podocarpus
 Família: Podocarpaceae
Divisão: Gimnospermae
Origem: China e Japão
Ciclo: Perene

Curiosidades: 

O pinheiro-de-buda é uma conífera colunar, ereta, que pode alcançar porte arbustivo a arbóreo, com até de 20 metros de altura, dependendo da variedade. Sua folhagem é perene, compacta, de coloração verde-escura e brilhante, composta por folhas lineares. Por se tratar de uma planta dióica, apresenta plantas separadas para o sexo feminino e masculino. As flores são amarelas, discretas, surgem na primavera e não apresentam importância ornamental. Os pequenos frutos de cor vermelha a arroxeada, formados apenas nas plantas fêmeas, são comestíveis e atraem os passarinhos.
O pinheiro-de-buda é um arbusto versátil, que se encaixa perfeitamente em jardins de estilo oriental, clássico, mediterrâneo ou contemporâneo. Sua forma é bonita, não obstante, pode ser topiado para adquirir o formato desejado. No jardim se presta para o plantio isolado ou em renques: junto a muros e formando cercas-vivas. Por não ter raízes agressivas e espinhos, é uma ótima opção para calçadas. Desenvolve-se muito bem quando envasado, e assim é apropriado para adornar pátios, sacadas e varandas também. O pinheiro-de-buda é uma espécie bastante visada para a formação de Bonsai e para jardins planejados de acordo com os preceitos do Feng Shui.
Deve ser cultivado sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil, arenoso, levemente ácido, enriquecido com matéria orgânica e irrigado periodicamente. É capaz de tolerar curtos períodos de estiagem, mas não resiste à encharcamentos. Aprecia o clima subtropical e é tolerante à geadas leves. Planta indicada para o paisagismo na praia, por ser resistir à salinidade e maresia. Multiplica-se por estaquia dos ramos e por sementes (germinação em cerca de 2 anos após o plantio).

Podocarpus macrophyllus

Pinheiro-de-buda


Podocarpus macrophyllus

Fonte: II Exposição de Plantas Ornamentais do Vale do Ribeira.

Nome Científico: Platycerium bifurcatum
Nome Popular: Chifre-de-veado, samambaia-chifre-de-veado
Família: Polypodiaceae
Divisão: Pteridophyta
Origem: Austrália, Nova Guiné, Nova Caledônia e Ilha Sunda
Ciclo de Vida: Perene

Curiosidades

O chifre-de-veado é uma planta epífita, da família das samambaias, com dois tipos distintos de folhas: folhas da base que são folhas arredondadas que nascem verdes mas com o tempo tornam-se amarronzadas, de fina espessura e que se aderem ao substrato; folhas normais que são folhas mais espessas e firmes, ficam muito grandes e se bifurcam como os chifres dos veados.
Planta muito ornamental, deve ser cultivada em substratos para epífitas, à meia-sombra e com muita umidade. Bastante rústica e tolerante ao frio. No paisagismo presta-se para uso isolado ou em composição com outras epífitas, em muros ou árvores. Deve ser plantada preferencialmente na vertical. Multiplica-se pela separação das mudas que se formam próximo à planta mãe.

chifre-de-veado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário