domingo, 13 de março de 2011

Plantas de Sol

Nome Científico: Strelitzia reginae
Nome Popular: Estrelítzia, flor-da-rainha, ave-do-paraíso, estrelitza
Família: Strelitziaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: África do Sul
Ciclo de Vida: Perene

Curiosidades:
A estrelítzia é uma planta herbácea muito popular e tradicional. Seu nome científico é uma homenagem à rainha Sofia Carlota de Mecklenburg-Strelitz, esposa do rei Jorge III, do Reino Unido.
É cultivada a pleno sol, como planta isolada, em renques ou conjuntos, em canteiros com terra rica e umedecida. Muito utilizada como flor de corte. Floresce melhor nos subtrópicos.
As inflorescências da estrelítzia são formadas durante o ano todo, mas principalmente no verão. A espata é o bico, e serve de bainha para as flores que emergem de coloração laranja, com anteras e estigmas azuis, em forma de flecha. Estas inflorescências são muito duráveis e largamente utilizadas como flor-de-corte. Há ainda uma variedade de flores amarelas, a S. reginae var citrina.
Multiplica-se facilmente por sementes e por divisão de touceira.

Strelitzia reginae

Strelitzia reginae

Fonte: Chácara Wenzel - Limeira - SP


Nome Científico: Iresine herbstii
Nome Popular: Coração-magoado, iresine, coração-de-maria
Família: Amaranthaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: América do Sul
Ciclo de Vida: Perene



Curiosidades:
Arbusto ou folhagem excelente para produzir contrastes de cores que estimulam os sentidos no jardim. Suas folhas arredondas são roxas com nervuras vermelhas e rosadas. A ramagem também é vermelha, bastante ramificada e ereta. As flores pequenas e claras são formadas em inflorescências no verão. O coração-magoado é uma planta rústica e versátil, que pode ser apresentada em maciços, bordaduras, renques ou composições com outras plantas. Ocorre uma variedade de folhas verdes com nervuras de coloração creme.
Devem ser cultivadas a pleno sol ou meio período, em solo fértil enriquecido com matéria orgânica, com regas regulares. Para se obter um efeito bem compacto na planta, devemos realizar podas de formação e manutenção. Não é tolerante ao frio extremo. Multiplica-se por estacas.
Iresine herbstii

Fonte: II Feira de Exposições de Plantas Ornamentais do Vale do Ribeira.

Nome Científico: Hydrangea macrophyla
Nome Popular: Hortênsia, hortência, rosa-do-japão, hidrângea
Família: Saxifragaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: China e Japão
Ciclo: Perene

 

Curiosidades:

A hortênsia é a flor símbolo do município de Gramado, conhecida cidade da serra gaúcha. É um arbusto muito florífero e rústico.
Produz inflorescências em forma de buquês, compostas de muitas flores, que podem ter a cor azul, lilás, rósea, vermelha e branca conforme a variedade e o pH do substrato. Pertencem a três grupos hortícolas: "Japonica", "Hortensia", "Stellata", cada um com numerosas variedades,
Devem ser cultivadas a pleno sol em solos bem adubados e ricos em matéria orgânica, regados periodicamente. Requer poda anual, no final do inverno para um intenso florescimento na primavera e verão. Aprecia o frio, sendo indicada para regiões de altitude e de clima mais ameno. Multiplica-se por estacas.
Hydrangea macrophyla
Hydrangea macrophyla

Nome Científico: Turnera ulmifolia
Nome Comum: Flor-do-guarujá, turnera, chanana, albina
Familia: Turneraceae
Divisão: Angiospermae
Origem: América Tropical
Ciclo: Perene


Curiosidades:

O nome Turnera é em homenagem à Willian Turner, botânico inglês, famoso como "O Pai da Botânica Inglesa".
Planta herbácea, ereta, de 30 a 50 cm de altura. As folhas são pubescentes, ovalado-alongadas e serrilhadas. As flores são branco-amareladas ou amarelas, formadas o ano todo e que se abrem somente quando há sol.
Não é muito exigente em fertilidade, toleranso até mesmo solos mais pobres. Desenvolve melhor em locais de clima quente, não suportando geadas. Devem ser cultivadas a pleno sol com irrigações periódicas. Multiplica-se por estacas ou por sementes, podendo ser usadas em jardineiras ou maçiços em jardins.
O seu óleo essencial inibe o crescimento de fungos do gênero Trichophyton, Microsporum e Epidermophyton.
É considerada planta invasora em solos cultivados, consequência da fácil dispersãodas sementes.

Turnera ulmifolia

Turnera ulmfolia

Fonte: II Exposição de Flores Ornamentais do Vale do Ribeira.

Nome Científico: Lantana camara
Nome Popular: Cambará, cambarazinho, lantana-cambará, verbena-arbustiva, cambará-miúdo, cambará-de-cheiro, cambará-verdadeiro
Família: Verbenaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: América Central e América do Sul
Ciclo: Perene


Curiosidades:

Arbusto florífero de efeito muito ornamental, o cambará é excelente para a formação de maciços e bordaduras. Suas folhas são muito pilosas e os seus ramos flexíveis podem ser eretos ou semipendentes. As inflorescências são compostas numerosas flores, formando mini-buquês das mais variadas cores, como laranja, rosa, vermelho, amarelo e branco; sendo comum observar, na mesma inflorescência, flores com colorações diferentes.
Deve ser cultivado a pleno sol, em solo fértil enriquecido com composto orgânico, com regas periódicas. Tem grande potencial invasivo, tornando-se daninha em determinadas situações. Também é considerada planta tóxica e sua utilização terapêutica deve ter acompanhamento médico. Tolerante ao frio e às podas. Multiplica-se por estacas e sementes


Lantana camara


Lantana camara


Fonte: II Exposição de Plantas Ornamentais do Vale do Ribeira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário